Conheça um pouco da história do Poeta Cantador Raimundo Vieira

rv-1

“Não posso mais abandonar a viola, por que se eu abandonar a viola o pessoal me abandona”.

Raimundo José Vieira, filho de Cecília Rodrigues Vieira e José Vieira Filho, nasceu na cidade de Solonópoles-CE no dia 14/04/1950. Atualmente com 68 anos o poeta faz da cantoria sua única profissão.

Raimundo Vieira, como é popularmente conhecido, iniciou na cantoria aos 32 anos de idade influenciado por outros parentes que eram também violeiros e no qual o mesmo convivia. Entretanto, revela que antes de ter sofrido qualquer influência ele mesmo nasceu com o dom da poesia, e que, uma hora ou outra, independente dos parentescos, teria sua poesia aflorada a ponto de não conseguir fugir dela. Hoje Raimundo Vieira totaliza 36 anos como cantador profissional, e assim objetiva-se continuar, pois como ele mesmo afirma: “a viola já me deu muitas coisas, o pessoal tem muita consideração por minha viola, então não posso mais abandoná-la“.

O poeta destaca que: “se a pessoa não nascer com o dom da poesia ela pode ser juiz, pode ser promotor, pode ser o que for, pois não cantará que nem nós“. Acrescenta ainda que à parte do dom é necessário estudar para conseguir ser um bom cantador, pois a partir do estudo o poeta terá assunto e aprenderá a pronunciar corretamente as palavras, para isso faz-se necessário o que o poeta chama de “a prática do dom”.

Raimundo Vieira revela que antigamente era comum apresentar-se nas zonas rurais, mas que hoje alguns fatores tem afastado a presença dos cantadores dessas localidades, a primeira é, segundo ele, a falta de um bom inverno e a não presença de público, uma vez que boa parte deste público são pessoas idosas. “hoje a maior parte não se ‘interte’ muito com a cultura, quem se ‘interte’ com a nossa cultura é o pessoal mais maduro, os aposentados“. Desta forma o poeta conta que hoje tem estado constantemente nas romarias de Juazeiro do Norte cantando para os romeiros, além de estar apresentando-se semanalmente na cidade de Crato-CE, em lanchonetes, pousadas e demais espaços. “O lugar mais cultural que eu já vi até hoje se chama Crato“, revela.

Tem passado também por diversos programas de rádio, entre eles as rádios Progresso e Iracema em Juazeiro do Norte-CE. Atualmente apresenta o programa Toada, Canção e Poesia, todos os dias na rádio Verde Vale, no horário de 16:00 às 16:30, ao lado do também poeta Zé Ari. Esse espaço, comenta ele, é importante para a divulgação da cantoria como da própria imagem do poeta que o apresenta.

Tem cantado também em muitas escolas do CraJuBar (Crato, Juazeiro do Norte e Barbalha), sendo convidado para mostrar tanto a arte do repente como do cordel, e salienta que “é muito bom para divulgar. O aluno, através de um verso nosso, às vezes se forma com a nossa poesia. Às vezes um aluno vai decorando aquilo ali e escrevendo, e amanhã ou depois se transforma num doutor através de uma poesia de um cantador“. Raimundo afirma, ainda, que isso ocorre porque o poeta carrega na bagagem muitas informações, e as revelam em seus versos improvisados.

Por outro lado lamenta que a participação das políticas públicas para com a cultura repentista seja, conforme ele mesmo cita, “zero“. Revela ter sido convidado algumas vezes por determinadas demandas políticas, mas que no fim das contas a cantoria nunca acontecia.

Atualmente o poeta possui um CD de sua autoria e outras participações em CD’s e DVD’s de festivais. Além dessa produção o poeta conta também com os livretos viagem sofrida e milagre do padre Cícero (uma criança que caiu num cacimbão), de sua autoria.

rv-2

(A entrevista aconteceu no dia 12/04/2018 na rádio Verde Vale, em Juazeiro do Norte – CE, para o projeto De Repente em Ação).

Contato do Poeta para Shows: (88)99978.1685

css.php